2010: A Década Dominada Pelos Super-heróis

Por Ruth dos Santos

Os super-heróis voaram para fora das histórias em quadrinhos e conquistaram o mundo

As adaptações de quadrinhos são feitas há décadas, para mídias como cinema, televisão, games e mais. No entanto, nos últimos anos os super-heróis se tornaram uma potência no mercado de entretenimento, sendo o centro das atenções na Cultura POP.  

Na década de 2010, Marvel e DC adaptaram mais de 45 histórias para o cinema. E surfando no sucesso dos super-heróis, outros filmes foram lançados como 'Os Incríveis 2' (2019) , 'Kick-Ass' (2010), 'Poder Sem Limites' (2012), 'Fragmentado' (2017) e mais.  

Com tantas produções, filmes de super-heróis chegaram na maior premiação do cinema. Obras baseadas em quadrinhos são sucesso de bilheteria, mas são filmes subjugados em grandes premiações. ‘Batman – Cavaleiro das Trevas’ (2008), foi o primeiro filme super-herói a concorrer e ganhar um dos principais prêmios do Oscar, melhor ator coadjuvante para Heath Ledger como Coringa.  

Hugh Jackman como Wolverine e Chadwick Boseman como Pantera Negra

Concorrendo por anos apenas em categorias técnicas, ‘Logan’ (2017), foi a primeira adaptação de um quadrinho a ser indicada ao Oscar de melhor roteiro adaptado. Em 2019, ‘Panteira Negra’ (2018) fez história, sendo o primeiro filme do gênero a disputar o Oscar de melhor filme, o longa da Marvel ganhou 3 prêmios dos sete que concorria.  

Na televisão os super-heróis também estão com tudo. Atualmente, 10 séries com selo DC estão sendo exibidas. Já a Marvel, nos últimos 10 anos produziu onze séries, para canais de streaming e televisão.

Demolidor (2015 - 2018), Watchmen (2019 - presente), Agente Carter (2015 - 2016), Arrow (2012 - presente)

Para se manter em alta, produções de super-herói estão atendendo as demandas do mercado. Diversidade se tornou uma pauta importante dentro do audiovisual e produções de quadrinhos se mostraram dispostas atender todos os públicos. Na televisão a diversidade é grande, temos personagens LGBTQ+ como protagonistas em séries como ‘Legends Of Tomorrow’ (2016 – presente) e ‘Batwoman’ (2019 – presente). Super-heróis negros protagonizam as produções ‘Luke Cage’ (2016 – 2018) e Raio Negro (2018 – presente).

Sarah Lance (Caity Lotz) de 'Legends Of Tomorrow', Ruby Rose como Batwoman, Mike Colter como Luke Cage e Cress Williams como Raio Negro

No cinema, ‘Mulher – Maravilha’ (2017) foi um sucesso, dirigido por Patty Jenkis, o filme foi a 10ª maior bilheteria do ano, arrecadando US$ 821,8 milhões. E ‘Capitã Marvel’ (2019), provou que quem lacra, lucra sim, arrecadando mais US$ 1,128 bilhão.  Superpremiado, o fenômeno ‘Pantera-Negra’, com elenco formado predominantemente por negros, teve uma bilheteria mundial de US$ 1,344 bilhão.

Gal Gadol como Mulher - Maravilha e Brie Larson como Capitã Marvel

Para entender mais o poder dos super-heróis, a Indiespensável conversou com quem entende do assunto. Professor universitário e crítico de cinema, Efrem Pedroza é especialista em Cultura POP.

Para o professor, as histórias em quadrinhos são uma verdadeira fonte de criatividade, por isso, as adaptações vão continuar a ser feitas por muito tempo. “Os quadrinhos e suas adaptações são praticamente fonte inesgotável de criatividade para o cinema e TV nesse sentido. O que pode acontecer é uma ou outra adaptação não agradar ao público. Mas isso é normal. Faz parte!”,

Efrem acredita que exista uma fórmula, para que produções baseadas em histórias em quadrinhos continuem a conquistar o público.  “As adaptações devem preservar a essência dos personagens e histórias. Dessa forma poderão atrair um novo público e cativar aqueles que já conhecem a obra em quadrinhos e que foram adaptadas”.

Robert Downey Jr. em cena chave de Vingadores Ultimato (2018)

O cinema é uma arte em constante evolução e para Efrem Pedroza, o cinema de super-herói mudou muito nos últimos anos. “São muitas diferenças entre os filmes de super-heróis dos anos 70, 80 e 90 para os atuais. A começar pelos efeitos especiais. Além disso, personagens que tinham uma personalidade mais ingênua ficaram um pouco pra trás. Tudo é repleto de realismo e debates atuais”.

Nos últimos tempos, magnatas do cinema como Martin Scorsese e Francis Ford Coppola fizeram polêmicas declarações sobre os filmes de super-heróis. E Efrem, professor e crítico de cinema, tem uma opinião diferente dos cineastas. “Filmes de super-heróis são importantes e o cinema é e sempre será democrático. O cinema é arte, mas também tem o papel de entreter e de envolver o público”.

Efrem revelou como as adaptações de quadrinhos estão contribuindo para o mercado de HQs. “Elas fortaleceram o mercado editorial. Tudo foi potencializado e, tanto histórias clássicas como novas, ganharam um novo significado para o público de modo geral”.

E você, leitor da Indiespensável? Acredita que a próxima década também vai ser dominada pelos super-heróis?