Melhores filmes baseados na obra de Stephen King

Stephen King é o autor mais adaptado para o cinema. Desde os anos 1970 suas obras chegam a grande tela, seja por cineastas renomados, como Kubrick e Brian De Palma, ou por obras menores e pouco conhecidas. King continua um autor muito ativo, e seus livros não deixaram de chegar aos cinemas – com diversas adaptações saindo todos os anos. Pensando nisso, listamos os melhores filmes baseados na obra de Stephen King.   

Um Sonho de Liberdade (1994)

Um Sonho de Liberdade é adaptação do conto Rita Hayworth and Shawshank Redemption, publicado em 1982 na coletânea As Quatro Estações. O filme é um dos mais aclamados pela crítica e considerado um dos melhores filmes de prisão da história.

O drama narra a história de Andy Dufresne (Tim Robbins), condenado erroneamente à prisão perpétua em Shawshank, no Maine, pelos assassinatos de sua esposa e seu amante. Andy tem que aprender a sobreviver nos limites brutais da prisão, até conquistar o respeito de seus companheiros de prisão, principalmente o condenado de longa data "Red" Redding (Morgan Freeman).

É um drama profundo e emocionante, que conta com direção sensível de Frank Darabont e ótimas atuações, principalmente de Tim Robbins e Morgan Freeman.

O Iluminado (1980)

O Iluminado foi adaptado da obra de 1977 de mesmo nome. O romance de horror foi um best-seller que consolidou a carreira de King, além de ser um clássico e um dos melhores livros de terror da história. Em 1980, o diretor Stanley Kubrick levou a história para o cinema usando o livro (história) como base e não sendo tão fiel ao material original, o que fez King criticar a adaptação. 

Polêmicas à parte, o filme é um dos maiores clássicos do terror e um dos grandes filmes da história do cinema, com uma atuação excepcional de Jack Nicholson como Jack Torrance, personagem que progressivamente enlouquece no Hotel Overlook e ameaça a vida de seu filho e sua esposa.

Louca Obsessão (1990)

Misery, de 1987, é o romance que deu luz à Louca Obsessão, dirigido por Rob Reiner. Nele, Paul Sheldon (James Caan), um autor famoso de romances, é resgatado de um acidente de carro por uma ex-enfermeira fã de seus romances. Mas logo ele percebe que os cuidados que está recebendo são apenas o começo de um pesadelo de cativeiro e abuso.

O filme consegue retratar fielmente o clima de angústia e tensão do terror psicológico apresentado pelo livro. Aqui temos uma atuação fenomenal de Kathy Bates como a assustadora Annie Wilkes – que lhe rendeu o Oscar de Melhor Atriz.

It: A coisa (2017)

It conta a história de um grupo de jovens que, quando crianças começam a desaparecer na cidade de Derry, Maine, enfrentam seus maiores medos ao confrontar uma entidade maligna na forma de um palhaço chamado Pennywise.

A primeira adaptação do livro – It - Uma Obra-Prima do Medo (1990) – tinha como grande qualidade a atuação de Tim Curry como o Pennywise. Já essa segunda adaptação é bem mais focada no grupo de crianças, todos com boas atuações, e trazer um clima sombrio e assustador comandado pelo Pennywise de Bill Skarsgård. 

Conta comigo (1986)

Conta Comigo é baseado na novela O Corpo, de 1982, também presente na coletânea As Quatro Estações. É um relato autobiográfico de uma caminhada noturna de quatro jovens do Oregon em busca do corpo de um garoto que havia sido atingido por um trem. 

O filme se tornou um clássico e, até hoje, é inspiração para obras focadas em grupo de crianças envoltas em algum mistério, como a série Stranger Things. Nostálgico, ele trabalha fortemente temas como a amizade e o amadurecimento.

Cemitério Maldito (1989)

Cemitério Maldito, de 1983, é um dos livros mais pesados e assustadores de Stephen King. Louis (Dale Midkiff), Rachel Creed (Denise Crosby) e seus dois filhos acabam de se mudar para uma casa no Maine, ao lado de um cemitério de animais de estimação – construído em cima de um antigo cemitério indígena. Jud Crandall (Fred Gwynne), o novo vizinho, esconde um segredo sombrio sobre o lugar até que uma tragédia familiar traz o segredo à vida.

A adaptação para os cinemas é bem fiel ao livro e, ainda que não seja tão perturbador quanto ele, consegue criar uma atmosfera assustadora e tem cenas marcantes. O filme teve uma sequência em 1992 e também um remake em 2019 – que fez uma releitura da trama.

À Espera de um Milagre (1999)

Baseado no livro homônimo de 1996 e dirigido por Frank Darabont, o mesmo diretor de Um Sonho de Liberdade. Se passa no corredor da morte de uma prisão do sul dos Estados Unidos e mostra a história do guarda de prisão Paul Edgecomb (Tom Hanks), que desenvolve um relacionamento forte e incomum com John Coffey (Michael Clarke Duncan), um preso que possui um dom misterioso e milagroso de cura.

É, sem dúvidas, uma das adaptações de Stephen King que mais mexe com os sentimentos. Ainda que tenha o elemento sobrenatural do dom de John Coffey, o foco aqui está na construção genuína da relação de Paul com ele, carregada por atuações fortes e emocionalmente carregadas de Tom Hanks e Michael Clark Duncan. 

O Nevoeiro (2007)

O Nevoeiro é um conto de terror publicado originalmente em 1980 e depois inserido na coletânea Tripulação de Esqueletos, lançada em 1985. A história mostra David Drayton (Thomas Jane) e seu jovem filho entre um grande grupo de pessoas aterrorizadas e presas em um supermercado local por  causa de um nevoeiro estranho, que traz seres mortais e horríveis. 

Frank Darabont é um grande fã de Stephen King e aqui fez sua terceira adaptação do mestre do terror para o cinema. Darabont transporta muito bem uma alegoria sociopolítica (coisa que King gosta de fazer) que explora as profundezas da natureza humana e o que o medo e o desespero causam ao suprimir a esperança e a razão.

O filme é divertido, instigante, provocador e assustador, além de apresentar personagens muito diferentes convivendo em uma situação de risco e confinamento. O final da obra é uma das mais arrasadoras da história do cinema.

Carrie - A estranha (1976)

Carrie foi o primeiro livro publicado por Stephen King em 1974 e é uma de suas obras mais conhecidas. No cinema, foi adaptado por Brian De Palma em 1976. A história mostra Carrie White (Sissy Spacek), uma adolescente tímida e reclusa, superprotegida por sua mãe dominadora e religiosa, que libera seus poderes telecinéticos depois de ser humilhada por seus colegas de classe no baile de formatura.

De Palma conseguiu fazer um clássico do terror, mostrando um olhar horrível sobre poderes sobrenaturais e a crueldade praticada pelo bullying, além de trazer uma das cenas mais memoráveis ​​e perturbadoras do cinema – a cena do baile.

Jogo Perigoso (2017)

Jogo Perigoso foi publicado em 1992 por Stephen King e em 2017 a Netflix adaptou para as telas, com direção de Mike Flanagan – responsável também pela adaptação da sequência de O Iluminado, Doutor Sono.

A história mostra Jessie (Carla Gugino), que tenta apimentar o casamento em sua remota casa do lago, porém seu marido morre inesperadamente, deixando-a algemada à estrutura da cama. Com isso, ela deve lutar para sobreviver.

O filme é um suspense claustrofóbico e psicológico, que brinca muito com o real e imaginário. Flanagan consegue comandar isso com maestria, sabendo utilizar muito bem o único cenário em que o filme acontece.